Close

1-MINUTO

+ 3 MINUTO

terceiro minuto

+ OUTRO MINUTO
Give us a brief description of the service that you are promoting. Try keep it short so that it is easy for people to scan your page.

21 de setembro de 2012

Terapia pelos Sons que curam

O Espaço Mandala Psicologia, em Brasília,  vem desenvolvendo  trabalhos terapêuticos com o apoio do som,  obtendo excelentes resultados.

Sendo uma onda que se propaga de forma circuncêntrica nos meios materiais, o som também é percebido por outras partes do corpo. Possui uma frequência de oscilação, com uma amplitude que se desdobra em todas as direções. São essas propriedades que sustentam a pessoa num caminho desconhecido de si mesmo.

Instituições de pesquisa e profissionais diversos têm divulgado os resultados de suas investigações e os efeitos são animadores.

images.jpegO “pam-pam-pam-pam”, que abre uma das mais famosas composições da História, é testado em laboratório e surpreende.

É o que diz uma pesquisa do Programa de Oncobiologia da UFRJ ao expor uma cultura de células MCF-7, ligadas ao câncer de mama, à meia hora da obra.

Uma célula em cada cinco morreu: foi o que se concluiu em numa experiência que envolve timbres e frequências, a qual abre uma nova frente contra doenças.

A estratégia, que parece estranha à primeira vista, busca encontrar formas mais eficientes e menos tóxicas de combater o câncer:em vez de radioterapia, um dia seria possível pensar no uso de frequências sonoras.

O estudo inovou ao usar a musicoterapia fora do tratamento de distúrbios emocionais.

Márcia Capella, do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, coordenadora do estudo, ressalta:

Esta terapia costuma ser adotada em doenças ligadas a problemas psicológicos, situações que envolvam um componente emocional. Mostramos que, além disso, a música produz um efeito direto sobre as células do nosso organismo.

Como as MCF-7 duplicam-se a cada 30 horas, Márcia esperou dois dias entre a sessão musical e o teste dos seus efeitos. Neste prazo, 20% da amostragem morreu. Entre as células sobreviventes, muitas perderam tamanho e granulosidade.

Células tumorais expostas à “Quinta Sinfonia”, de Beethoven, perderam tamanho ou morreram.

imagescab1yqce.jpgO resultado da pesquisa é enigmático até mesmo para Márcia:

A composição “Atmosphères”, do húngaro György Ligeti, provocou efeitos semelhantes àqueles registrados pela Quinta Sinfonia, de Ludwig van Beethoven.

                  • Matéria extraída do jornal O Globo – Renato Grandelle

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *